STOP TORTURA - Condenado a 20 anos de prisão por confissão extraída sob tortura (Ação Encerrada)

Erkin Musaev foi torturado no Uzbequistão e posteriormente condenado a 20 anos de prisão pelo crime de traição. Ajude-nos a libertá-lo!

Erkin Musaev, 47 anos, antigo oficial do Ministério da Defesa do Uzbequistão, estava a trabalhar para o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) quando foi detido em janeiro de 2006, em regime de incomunicabilidade. 
 
Segundo o Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária das Nações Unidas Erkin foi submetido a espancamentos por parte de guardas prisionais e de outros prisioneiros, 
Os espancamentos por parte dos guardas incluíram agressões no peito durante 3 noites seguidas o que provocou dores a nível dos órgãos internos e um método de tortura chamado “Aurora do Norte” em que foi agredido com pancadas fortes na cabeça.
Também lhe foram administradas drogas, foi atado pelos pés e mãos a uma cama durante vários dias incapacitando-o de andar.
Todas estas agressões e torturas resultaram num maxilar partido e traumatismo craniano.
 
Para além das agressões físicas sofreu também com a pressão psicológica: foram feitas ameaças à sua família e foi-lhe dito que, se não assinasse a confissão de espionagem seria acusado de outros crimes mais penosos como de associação com grupos terroristas islâmicos ou tráfico de droga.
 
Foi condenado a 20 anos de prisão por ter confessado, sob tortura, o crime de traição e abuso de poder. 
O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas concluiu, em março de 2012, que os direitos a não ser submetido a tortura, à liberdade e segurança e a um julgamento justo do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos tinham sido violados.
 
Ajude-nos a pedir ao Procurador-geral do Uzbequistão que seja realizada uma investigação imparcial a este caso, que os oficiais sejam responsabilizados pelas alegações de tortura e que Erkin seja libertado depois de vários julgamentos injustos.
Veja aqui o apelo em português

Preencha, por favor, os seus dados pessoais para assinar o apelo.
* Campos de preenchimento obrigatório.
*
*
Número Português
Pretende receber mais informação e/ou juntar-se à Amnistia.